É possível envelhecer feliz? Nós entendemos que sim, mas talvez não seja fácil para a maioria das pessoas. A felicidade é um bem-estar físico e emocional que perde força à medida que a idade vai avançando ou as responsabilidades ou perdas se vão acumulando. 

Muitas pessoas na vida adulta são felizes, ou parcialmente felizes, porque gostam do que fazem, das pessoas com quem partilham a vida, dos seus feitos e objectivos ou, simplesmente, são felizes porque sim.

Não somos jovens para sempre... mas o nosso espírito pode ser tão colorido e activo como antes. 

Ser feliz porque sim é um feito enorme pois, ao chegarmos a uma idade avançada o  "porque sim" poderá começar a desvanecer-se, fruto das perdas de funcionalidade física ou emocional que sucederam ou começam a acontecer no nosso corpo .

É aqui que nós agimos.

A PsicoGerontologia tem por objectivo actuar não apenas onde exista a perda de funcionalidade como, igualmente, onde persista a debilidade física, a fragilidade emocional e a vulnerabilidade social - factores que contribuem para que as pessoas com mais idade se sintam menos felizes. E então, o "porque sim" da adolescência e da vida adulta, deixam de surtir o efeito benéfico de colocar um sorriso no rosto de uma pessoa com mais idade. 

O que fazer, então?  Agir onde existam dificuldades no envelhecimento. Digamos que esse chavão "envelhecimento activo", muito utilizado hoje em dia é, para nós, uma metáfora. Nós transformamos essa metáfora em realidade. Fazemo-lo com humanismo, profissionalismo e amor. 

E como? Ajudando as pessoas com mais idade a permanecerem autónomas o máximo de tempo possível, experimentando uma vida digna e respeitada. Por isso, na Humana Mente, ajudamos as pessoas a se adaptarem às novas condições que são exigidas pela idade. O lutar por menos solidão, por momentos agradáveis na companhia de jovens que auxiliam no dia a dia em tarefas simples como ir às compras, formatar um computador, mudar a cama, marcar consultas médicas, ajudar a fazer a barba, auxiliar no baby-sitting dos netos.

Como Gerontólogos, estudamos cada caso individualmente, nas perspecivas biológica, psicológica e social. É um trabalho interessante: olhar para a pessoa e ver nela toda uma história que desejamos dignificar, enaltecer, proteger. 

Adoramos o que fazemos. 

Estas são algumas das nossas actividades diárias com idosos